Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a produção subiu 2,0 por cento

Indústria Alemanha

Produção industrial: as expectativas em pesquisa com economistas eram de alta de 0,4 por cento (Fabian Bimmer/Reuters)

A indústria brasileira iniciou 2021 com alta pelo nono mês seguido em janeiro, mas em desaceleração e sofrendo o impacto do agravamento da pandemia no Amazonas.

Em janeiro, a produção industrial brasileira registrou alta de 0,4% em relação a dezembro, de acordo com os dados divulgados nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado ficou em linha com a expectativa em pesquisa da Reuters, mas mostrou perda de força depois de crescer 0,8% em dezembro e apresentar taxas de 1,1% e 1% respectivamente em novembro e outubro.

Com esse resultado, o setor acumulou crescimento de 42,3% em nove meses de alta, depois de registrar perda de 27,1% entre março e abril devido às medidas de contenção ao coronavírus, quando a produção chegou ao nível mais baixo da série.

Na comparação com janeiro de 2020, a produção teve alta de 2,0%, contra expectativa de um ganho de 2,2%.

Apesar do resultado positivo, os ganhos da indústria em janeiro foram menos disseminados entre as atividades.

“… chama atenção neste mês a quantidade de ramos que ficaram no campo negativo, que foram maioria (14 de 26), um comportamento que não foi observado nos meses anteriores dessa sequência de nove meses de crescimento”, destacou o gerente da pesquisa, André Macedo.

“Foi um crescimento muito concentrado e isso já mostra redução de ritmo e algo bem diferente de meses anteriores”, completou.

Em janeiro, o IBGE apontou que, entre as categorias econômicas, a produção de Bens de Capital foi o destaque com alta de 4,5%. O outro dado positivo veio de Bens de Consumo, com ganho de 1,0%, impulsionada pela alta de 2,0% em Semiduráveis e não Duráveis. Por outro lado, a produção de Bens Intermediários recuou 1,3% no mês.

Macedo destacou que o agravamento da situação da pandemia no Amazonas teve impacto principalmente sobre a produção de Bens de Consumo Duráveis, concentrada no Estado e que apresentou queda de 0,7%.

“Como a pandemia se agravou por lá e foram adotadas medidas, houve prejuízo na produção de motos e produtos da linha marrom”, explicou ele. “Tem um efeito mais intenso da pandemia no Amazonas, especialmente na zona franca de Manaus.”

Entre as atividades, a influência positiva mais relevante foi dada por produtos alimentícios, que avançou 3,1%, eliminando. Na outra ponta, o maior impacto negativo veio de metalurgia, com queda de 13,9%, interrompendo seis meses de taxas positivas.

A recuperação da indústria desde o ápice da pandemia em abril de 2020 encontrou base nas medidas de auxílio do governo e na flexibilização do isolamento, mas ainda assim o setor encerrou o ano passado com queda de 3,5%, de acordo com os dados do PIB informados pelo IBGE.

O setor industrial depende agora da melhora do mercado de trabalho, bem como do cenário inflacionário e de uma retomada do auxílio emergencial.

“O que vinha sustentando a economia em parte era o auxílio emergencial (que acabou em dezembro). Isso pode ter efeito”, disse Macedo. “Para além disso, a indústria tem sido impactada por escassez de matérias-primas, preços mais altos, mercado de trabalho com muitos desempregados e tem ainda efeitos isolados da própria pandemia.”

A pesquisa Focus mais recente do BC realizada com uma centena de economistas mostra que a expectativa é de uma alta de 4,3% da produção industrial em 2021.

Fonte: https://exame.com/economia/producao-industrial-no-brasil-sobe-04-em-janeiro-diz-ibge/