gttgtgtgtg

O presidente da Petrobrás,  Roberto Castello Branco,  prometeu e vai cumprir: as duas plataformas do Campo de Búzios, a P-78 e P-79, realmente vão criar os empregos da indústria naval no exterior. E bem longe do Brasil. O destino dos FPSOs será a Coreia do Sul. A Petrobrás abriu  hoje os envelopes com as propostas e deve confirmar o nomes dos dois vencedores da licitação. Aliás, apenas três únicos estaleiros apresentaram propostas e participaram da disputa. Os três são da Coréia do Sul: Daewoo,  Samsumg e Keppel (Hyundai).

Veja os preços apresentados e o nome dos dois possíveis vencedores:

1º Keppel (Hyndai) – R$ 12.521.821.104,00

2º Daewoo – R$ 14.107.992.912,00

3º Samsung – R$ 15.146.522.280,35

Estranhou-se que outras grandes empresas não terem participado. Sabe-se que os desafios são enormes. A primeira razão é a que a licitação é em formato Turn Key. As empresas coreanas pegarão a engenharia da Petrobrás e executarão apenas o projeto. É mais um trabalho puramente de estaleiro. Nas outras licitações tinham o design e a engenharia das empresas que concorriam. Desta vez, as empresas chinesas não foram convidadas.

O grande desafio desse projeto, na forma com a Petrobrás elaborou, são os mesmo usados nos projetos da Cessão Onerosa e dos Replicantes. Projetos em que as empresas que se envolveram perderam muito dinheiro. E muito não por causa de performance ruim, mas de mudanças na engenharia e no projeto feitos pela Petrobrás que, aí sim, comprometeram as performances das empresas que estavam participando. Foram muitas mudanças na engenharia no design. Depois que se compra os equipamentos e mudam, não há retorno. É prejuízo garantido. E nada garante que isso não acontecerá de novo.

As empresas que venceram a licitação nunca fizeram um projeto no Brasil. Os chineses que já fizeram, amargaram. As de Singapura, a mesma coisa. Agora chegou a vez dos coreanos serem submetidos à estas mudanças, já sabendo que a Petrobrás não aceitará pleitos. Vamos ver o que acontecerá. O certo é que a Petrobrás, como já dissemos, não está nem aí para os milhões de desempregados que o Brasil abriga. Para a companhia parece certo criar milhares de empregos no exterior do que proporcionar o desenvolvimento da indústria naval nacional.

Fonte: https://petronoticias.com.br/petrobras-escolhe-estaleiros-coreanos-para-construir-as-plataformas-p-78-e-p-79-para-o-campo-de-buzios/