hgthgghgh

A Câmara de Energia Africana (CEA) defendeu que colaboração e partilha de experiências são fundamentais para desenvolver gás em Moçambique, numa abordagem que deve virar-se para o mercado. O presidente da CEA em Moçambique, Florival Mucave, disse que  “a necessidade de mais colaboração e de experiência partilhada entre os peritos africanos energéticos vai ser crítica para Moçambique no contexto de transformação das enormes descobertas de gás natural em receitas para o Estado.” O representante deste grupo privado focado no aumento dos investimentos das multinacionais na  África acredita  que “O Estado e o setor privado precisam de desempenhar um papel de liderança no desenvolvimento das infraestruturas fundamentais para a utilização doméstica do gás, que será determinante para o desenvolvimento do país e para resolver os problemas de dificuldades de acesso a energia pelos seus cidadãos”. A Câmara de Energia Africana, sediada em Joanesburgo, é uma entidade privada destinada a fomentar o investimento em África.

SWSWSWSW
SZSZZZ

As declarações de Florival Mucave surgem num contexto de agravamento dos problemas de segurança no norte do país. Em Cabo Delgado, província apontada como promissora para ser o  centro de uma indústria de gás natural, tem visto uma série de ataques de um grupo terrorista. É lá onde os maiores investimentos das petrolíferas na exploração de gás estão sendo feitos e prometem multiplicar a riqueza do país por via da exploração e exportação de gás natural liquefeito. Os agentes econômicos moçambicanos dos setores público e privado reconhecem que o país “está numa encruzilhada no seu desenvolvimento, e nesse contexto a construção de um política energética que leve em consideração as questões climáticas é essencial para o país.”

O consórcio liderado pela petrolífera francesa Total conseguiu em 2020 os 15,8  bilhões de dólares que faltavam para completar o orçamento total de 23  bilhões de dólares para investir no megaprojeto de gás natural da Área 1 da bacia do Rovuma, cuja primeira exportação deverá acontecer mais perto de 2025. Os investimentos estão sob risco. Na semana passada houve vários ataques perto das bases francesas A exploração de gás natural no norte de Moçambique é o maior investimento privado da África subsaariana.

A Total pediu a alguns funcionários que desocupassem o acampamento do projeto de gás natural liquefeito, em Afungi, em Cabo Delgado.  Os ataques terroristas foram muito próximo da aldeia e a cinco quilômetros da área da concessão. Parte dos cerca de três mil trabalhadores, saíram da região. Com os ataques nas proximidades da área da Total, a empresa efetuou a sua segunda maior evacuação no acampamento. A primeira ocorreu em Abril deste ano  quando alguns funcionários testaram positivo para o novo coronavírus, o que obrigou a suspensão das obras até junho.

Fonte: https://petronoticias.com.br/mocambique-quer-a-colaboracao-publico-privada-para-desenvolver-a-producao-de-gas-no-pais/