Com a estatal Petrobras trabalhando para aumentar sua produção e exportação de petróleo, o Brasil busca novas opções para diversificar seu mercado de exportação. Enquanto as exportações de petróleo para a China continuarão crescendo, tendo chegado a 1 milhão de barris por dia (bpd) em abril deste ano, o Brasil tem interesse em encontrar outras opções para seu abastecimento crescente, com foco na Ásia. A Petrobras pretende produzir mais bpd para atender a essa demanda crescente. A mudança também permitirá à Petrobras minimizar sua dependência da China.

“Esperamos que isso tenha uma evolução positiva em um futuro próximo, em aproximadamente três anos para ter uma posição consolidada no mercado (indiano)”, disse à Reuters o CEO da Petrobras, Roberto Castello Branco, no início desta semana.

A Índia é um mercado atraente para qualquer fornecedor emergente, que deve ser a maior fonte de crescimento da demanda de energia até 2050, com uma demanda prevista de 6 milhões de barris por dia até 2025. Além disso, qualquer interrupção sentida na Covid-19 está começando a diminuir conforme a demanda por combustível dos agricultores para a colheita, bem como o aumento anual na demanda para a temporada de festivais, está ajudando a indústria a se recuperar.

Enquanto isso, a Índia busca diversificar seus fornecedores, com o Brasil parecendo uma oportunidade atraente. Em janeiro, o ministro do Petróleo, Dharmendra Pradhan, se reuniu com o ministro brasileiro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, para discutir a potencial parceria entre os dois países.

A Índia, o terceiro maior importador de petróleo do mundo, importa atualmente cerca de 84% de seu petróleo, contando com regiões ricas em petróleo para atender às suas necessidades. Aproximadamente dois terços do petróleo indiano vêm do Oriente Médio, principalmente do Iraque e da Arábia Saudita.

Pradhan tuitou sobre a reunião no início deste ano, “A Índia está diversificando seu fornecimento de petróleo bruto e nossas empresas petrolíferas expressaram interesse em obter mais petróleo bruto do Brasil, se oferecidas condições comerciais favoráveis. Também buscou intervenção para monetização antecipada de nossos investimentos existentes no setor de energia brasileiro. ”

A parceria entre os dois estados parece promissora já que o primeiro-ministro Narendra Modi aprovou a assinatura de um Memorando de Entendimento (MoU) com o Brasil para cooperação em petróleo e gás natural, no Gabinete da União no início de 2020. Podemos esperar maior cooperação em exploração e produção pelos dois lados, bem como maior colaboração em pesquisa e desenvolvimento em um futuro próximo.