Danilo-Gusmao---CEO-da-Cemig-SIM

A Cemig SIM receberá aportes de aproximadamente R$ 1 bilhão até 2025 que serão destinados ao desenvolvimento de novos projetos de usinas solares. A empresa quer aproveitar as capacidades de engenharia já existentes e as oportunidades de aquisição de ativos que alavanquem a oferta. Após os investimentos, a expectativa é de ampliar a atual capacidade instalada para 275 MWp, o que representará uma forte expansão nos próximos quatro anos. A expectativa é ampliar sua atuação no mercado de forma significativa.

EDSAGG

A perspectiva é de atingir um market share em torno dos 30%, de acordo com o CEO da Cemig SIM, Danilo Gusmão: “Nós acreditamos que o futuro do setor elétrico passa por um aumento do volume de recursos distribuídos e sistemas inteligentes. Portanto, é estratégico para a companhia fortalecer a atuação no segmento GD, ou energia solar por assinatura”. Hoje a empresa possui um parque de 11 usinas solares em operação e prevê a entrada de outras 7 ainda no primeiro semestre deste ano. Gusmão acrescenta que a companhia tem mantido um crescimento contínuo desde o seu lançamento, em outubro de 2019, direcionada por um plano institucional que tem como objetivo garantir uma atuação construtiva na criação de um modelo sustentável de geração distribuída, tanto do ponto de vista financeiro quanto regulatório.

No seu processo de expansão, também aposta em alguns diferenciais competitivos, especialmente com relação à capacidade de comercialização: “O mercado GD é caracterizado por muitos agentes, mas a SIM seguirá com foco em Minas. Acreditamos na força da marca, que carrega a solidez e a credibilidade do Grupo Cemig, e, ainda, apresenta capilaridade no relacionamento com os clientes em todo estado.” A empresa estabeleceu um modelo comercial digitalizado de atendimento. Inicialmente a empresa atuava apenas nos segmentos comercial (farmácias, padarias, lojas, fábricas, agências bancárias, supermercados, condomínios e empresas de diversos setores). Desde o mês passado, ampliou, com sucesso, o fornecimento para o público residencial, aplicável para consumo acima de 300 kWh. Atualmente, a empresa tem em sua carteira cerca de três mil clientes de energia solar por assinatura.