Biden

O democrata Joe Biden (foto) venceu as eleições contra o republicano Donald Trump e será o novo presidente dos Estados Unidos. A definição aconteceu na tarde deste sábado (7), após quatro longos dias de uma apuração lenta e com algumas reviravoltas em estados decisivos. A vitória de Biden foi confirmada após o candidato garantir a maior parte dos votos do estado da Pensilvânia. Assim, o democrata assegurou 284 votos no Colégio Eleitoral, 14 a mais do mínimo necessário para assumir a Casa Branca.  Especificamente para o futuro da política energética dos EUA, Biden promete tornar o setor livre de emissão de carbono até 2035.

A campanha de Trump, contudo, já se manifestou prometendo resistência, contestando a vitória do adversário na Justiça. Os advogados do democrata afirmam, até o momento sem apresentar provas, que houve fraudes durante a apuração dos votos que foram enviados antecipadamente pelos correios. A campanha de Trump pede a recontagem em Wisconsin e tenta suspender a apuração na Pensilvânia, na Geórgia e em Michigan.

A ascensão de Biden à Casa Branca mudará a forma como os Estados Unidos irão conduzir suas políticas energética e ambiental. O democrata promete diminuir as emissões do país e voltar ao Acordo de Paris, que foi abandonado pelos EUA durante a administração de Trump. Em relação à energia nuclear, por exemplo, o plano prevê o desenvolvimento de pequenos reatores modulares, servindo de backup para fontes intermitentes. Biden apoiará uma agenda de pesquisa para examinar questões relativas a essa indústria, que vão desde custo e segurança até sistemas de eliminação de resíduos nucleares.

O novo presidente também prometeu usar energias renováveis para produzir hidrogênio livre de carbono ao mesmo custo do gás de xisto. Para a indústria de óleo e gás, Biden propôs exigir limites agressivos de poluição por metano para operações novas e existentes. Outra proposta da futura gestão é utilizar o sistema de compras do governo federal – que gasta US$ 500 bilhões todos os anos – para buscar veículos elétricos, com 100% de energia limpa e emissões zero.