A Agência Nacional do Petróleo (ANP) lançou hoje (5) uma edição especial de seu boletim mensal da produção de petróleo e gás no Brasil, documento que está completando dez anos de existência. Entre os destaques do novo relatório, está a evolução dos campos do pré-sal. De 2010 até os dias atuais, a produção na área cresceu quase 60 vezes, superando a marca de 2 milhões de barris por dia.

Durante esse período, o Brasil saiu da 13ª para a 10ª posição no ranking dos maiores países produtores de petróleo. Em 2010, a produção nacional do país era de aproximadamente 2 milhões de barris por dia. Hoje, esse volume cresceu para cerca de 2,9 milhões de barris por dia.

Em novembro do ano passado, a produção de petróleo superou pela primeira vez a marca de 3 milhões de barris por dia. O recorde histórico de produção aconteceu pouco tempo depois, em janeiro de 2020, totalizando 3,17 milhões de barris/dia.

Enquanto a produção de petróleo no pré-sal disparou, a camada pós-sal viu sua produção sair de 1,7 milhão de barris por dia, em setembro de 2010, para 759 mil barris por dia em setembro de 2020, um tombo de 57,3%. Já os campos terrestres perderam quase a metade da produção, caindo de 1813 mil barris por dia para 93,1 mil barris por dia. A edição especial do Boletim Mensal da Produção de Petróleo e Gás Natural da ANP está disponível no site da agência.